4º Painel - Aquecimento ou Histeria Global - Luiz Carlos Molion - Alex Santos

Achei esse video interessante

Fala o inverso do que o al gore falou

se alguem quiser assistir durante as férias


http://www.youtube.com/watch?v=qB7GcXu9-Vc&feature=PlayList&p=301F998F078DEA56&playnext=1&playnext_from=PL&index=52

Desculpa não conseguir colocar o link pra aparecer direto o video

mas é só copiar e colar no navegador

Feliz natal e Boa entrada de ANOOS pra vcs

heheheheheh to zuando

Ate ano que vem

TUBAROES DA BIOLOGIA

SAÍDA DE CAMPO - INTRODUÇÃO À ECOLOGIA
TERMAS DA GUARDA - TUBARÃO/SC









Apenas dois filtros solares passam em teste

Cinco das dez principais marcas de protetor solar em loção vendidas no País não são resistentes à radiação, segundo pesquisa da Associação Brasileira de Defesa do Consumidor (Pro Teste). Os produtos, entre eles Nivea e Sundown, perdem até 50% do FPS (fator de proteção aos raios UVB, responsáveis pelo câncer de pele) quando expostos a uma hora de sol.

Na avaliação global, oito marcas das dez analisadas foram reprovadas por também não resistir à água ou não bloquear raios UVA, ligados ao envelhecimento da pele. Apenas os protetores L'Oréal Solar Expertise e o Cenoura & Bronze foram aprovados.

A avaliação global dos produtos é uma média das notas em cada um dos quesitos. O FPS é responsável por bloquear os raios UVB, que são mais fortes entre 10 horas e 16 horas, período não recomendado para exposição prolongada ao sol. São os principais responsáveis por câncer de pele, queimaduras e vermelhidão. No teste de fotoinstabilidade, o FPS dos produtos foi medido antes e depois da exposição a uma temperatura de 40ºC.

As marcas Avon, La Roche-Posay, Nivea, Banana Boat e Sundown foram reprovadas. Alguns produtos, como o da Nívea, perderam 50% do seu FPS. Todos os protetores analisados são de fator 30. Após uma hora de uso, eles caíam para FPS 15.

– O segundo pior foi o La Roche Posay, que manteve só 62% de sua proteção indicada no rótulo – afirma Marina Jakubowski, química da Pro Teste.Isso não quer dizer que os produtos não oferecem proteção aos raios UVB, explica a pesquisadora, e sim que têm pouca resistência à luz e ao calor. Além de instável à exposição solar, o Coppertone declarou um fator de proteção (30), maior do que o medido (25).

Todos as embalagens mencionavam resistência à água, mas após imersão de meia hora, a proteção do produto da Natura caiu para 30% do FPS inicial, por exemplo. O Sundown caiu para 55%. Para o especialista em foto proteção e professor da Faculdade de Medicina da USP, Sérgio Schalka, a diminuição do FPS é natural.

– Mesmo os produtos que se declaram resistentes à água perdem, após 40 minutos de imersão na água até 50% do FPS.

As oito marcas de protetor solar avaliadas pela Pro Teste discordaram do resultado da pesquisa e informaram que seus produtos foram submetidos a testes científicos, aprovados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e liberados para o comércio. Todas as empresas afirmaram que não tinham conhecimento do estudo.

A L'Oréal Brasil, que representa a La Roche-Posay, disse que desconhece qual "a instituição que realizou os testes" e os critérios utilizados. A Nivea Brasil, fabricante do Nivea Sun Loção Solar Protetora informou que, como não teve acesso ao estudo, "não pode avaliar, em profundidade, detalhes sobre a metodologia e resultado do mesmo". Destacou ainda que todos os produtos da empresa são desenvolvidos sob protocolos globais de qualidade e que a loção solar protetora FPS 30 atende às exigências dos órgãos regulamentadores.

A assessoria de imprensa da Johnson & Johnson, que representa a marca Sundown, divulgou que só tomou conhecimento da análise da Pro Teste na tarde de segunda-feira. A empresa ainda afirma que "estranha os métodos utilizados" e que usa, na formulação do protetor, uma combinação de filtros que garante a proteção UVA/UVB.

Metodologia

A Natura, que teve seu produto avaliado como ruim na proteção aos raios UVA, afirmou que a análise da Pro Teste difere da adotada pela Natura. E que tecnicamente não é possível compará-los, "pois fazem uso de metodologias e controles diferentes".

A reportagem não localizou o representante da Sun Pharmaceuticals, fabricante da marca Banana Boat. Valdir Oliveira, gerente de vendas da Arcom S/A, importadora oficial do Banana Boat Bloqueador Solar Ultra, afirmou que neste ano a empresa não comprou a linha analisada.

A Mantecorp, fabricante do Episol Loção Oil Free e do Coppertone, disse que seus produtos seguem padrões de qualidade nacionais e internacionais. A Avon, do produto Avon Sun, divulgou que a Anvisa não obriga "mencionar na rotulagem a indicação do fator de proteção UVA". As informações são do jornal O Estado de S. Paulo .

Midias nas aulas de biologia

Postado por: Valéria Cardoso Fermino


Há alguns anos passou a ser produzido vários filmes de desenhos animados que agradam não só ao público infantil, mas aos adultos também. Como filmes “A Era do Gelo”, “Bob Esponja” ou “Procurando Nemo”.
Estes desenhos apresentam diversos aspectos de forma clara e contextualizada, que podem ser usados a favor do professor e em benefício aos alunos, a fim de trabalhar uma gama de conteúdos. No caso da Biologia não seria diferente: comportamento animal, anatomia, evolução, extinção, glaciação, genética, dentre outros, são assuntos que podem ser trabalhados com este tipo de material.
Como algumas vezes estes filmes não são percebidos à primeira vista, seguem determinadas sugestões que poderão facilitar o trabalho do professor:

Filme: A Era do Gelo I
- Um dos tigres diz que mamutes nunca viajam sós, o que é errado;
- O bebê, durante todo o filme, em meio àquela considerável quantidade de neve, está pouco vestido – e continua vivo.

Filme: A Era do gelo II
- No momento em que as preguiças estão imitando Sid, uma preguiça aparece com quatro braços;
- Os animais caminham de forma incompatível com a realidade: deslocam as duas patas esquerdas para, depois, deslocarem as duas direitas.

Bob Esponja – O Filme
- Estrela-do-mar é um predador da esponja-do-mar. Logo, Bob Esponja e Patrick Estrela não poderiam conviver de forma harmônica;
- Sandy Bochecha, a esquilo fêmea, é também habitante do fundo do mar – esta espécie vive em árvores e não tem muita simpatia pela água;
- O Sr Siriguejo é, na verdade, um caranguejo, e não um siri (ele não possui o último par de patas adaptado para natação);
- Pérola é filha do Sr. Siriguejo, apesar de ser uma baleia;
- Dentro da Fenda do Bikini (mar) há uma lagoa, Lagoa Goo;
- O Lula Molusco possui seis braços, ao invés de oito e é um polvo, não uma lula (corpo arredondado, sem as nadadeiras típicas destes animais).

Valéria Cardoso Fermino

Porque devemos comer menos carne?



Um pequeno passo para humanidade, mas um grande passo pra vc

Alguns motivos para deixar de comer carne ou pelo menos diminuir:

1 - Ajudar a acabar com a fome e o desemprego no mundo
2 - Parar de enriquecer a industria da morte e do sofrimento dos animais
3 - Acabar com principal motivo da devastação das florestas no mundo "a pecuaria"
4 - Ajudar a despoluir e economizar agua no planeta
5 - Diminuir aquecimento global
6 - Obter mais saude
7 - Diminuir a crueldade, violencia e sofrimento dos animais no mundo
etc ...

veja a fonte desta postagem

http://veganaporamoraosanimais.blog.terra.com.br/



OBJETIVO GERAL

Fim da exploração de animais para entretenimento dos humanos (circos com animais, touradas, zoológicos etc.);

Abolição da experimentação em animais (experimentação com fins comerciais e experimentação científica e médica”).

Abolição da exploração e abate de animais para consumo ou uso humano (recomendando o vegetarianismo / veganismo);


Postado 16/10/2009
Sergio Augusto da Silva
http://www.orkut.com.br/Main#Profile?rl=mp&uid=1571075820604020036






Está na hora de agirmos de verdade








O foie gras é o fígado inchado de ganso, obtido através do método de alimentação forçada. Esta provoca uma distorção no corpo dos animais e um fígado sete vezes maior que o normal. Dezesseis dias antes da matança e a partir daí diariamente, um funil de mais de 40 cm de comprimento é empurrado pelo pescoço abaixo dessas aves.
É então forçada pela garganta abaixo do animal à máquina ou à mão uma quantidade de cereais misturados com gordura que seria equivalente a um ser humano ingerir 12,6 Kg de massa. A partir do décimo segundo dia este processo é repetido de três em três horas, ou seja, oito vezes por dia. Por esta altura o corpo do animal já está completamente deformado, não se consegue mexer e respira com dificuldade.
Os ratos aproveitam-se do facto dos animais não se mexerem para se alimentarem deles.
O sofrimento infligido aos gansos para obtenção do foie gras (que é um mero, embora muito caro, aperitivo) é altamente condenável.
Só nos resta passar a palavra para ver se acabam de vez no mundo estas barbaridades perpretadas por seres ditos "humanos"!












O mundo precisa desta gentileza :)

"Biojogos"- por Rejane Goulart Vieira

Olá pessoal! Deixo aqui uma sugestão bem interessante para ser utilizada como recurso nas aulas de ciências ou biologia.

Jogos bastante divertidos e interessantes tem sido utilizados para ensino como maneira de introduzir conceitos de determinadas disciplinas e motivar o o ensino.

Aqui estão listados alguns jogos educacionais. Espero que divirtam-se!!!

Transfusão sanguínea

Neste jogo você fará a transfusão sanguínea em pacientes com risco de morte mas para isso terá que fazer a tipagem sanguínea. Você consegue fazer isso? Se não, terá que ler a introdução de tipagem sangüínea antes de começar, senão você vai colocar a vida dos pacientes em perigo!



Building Bodies

Seja um paleoantropólogo, aprenda a montar o esqueleto humano e de um chimpazé e conheça de quebra as principais diferenças anatômicas entre estas duas espécies.


Make a Karyotype

O cariótipo é um conjunto de cromossomos de uma espécie. Em um cariótipo, cromossomos estão dispostos e numerados por tamanho, do maior para o menor. Este acordo permite cientistas identificarem rapidamente alterações cromossômicas que podem resultar em uma doença genética (síndromes genéticas, por exemplo).
Neste jogo você aprenderá a montar um cariótipo humano, para isto será necessário igualar-los usando o tamanho, padrão de bandeamento e posição do centrômero.


DNA: A dupla hélice

Em 1953 a estrutura de dupla hélice do DNA havia sido desvendada por Watson e Crick. Neste jogo bem divertido você poderá sintetizar a fita complementar de DNA, fazendo cópias da molécula, mas cuidado para não parear as bases erradas e gerar mutações.



Malária

A malária é uma das doenças mais comuns do mundo, causada por um parasita que é transmitida ao homem pela picada de um mosquito fêmea Anopheles sp. . Veja neste jogo como é dificil ser um mosquito da malária, sugue o sangue das suas vítimas, deposites seus ovos em água parada, mas não deixe ser comido por pássaros e morcegos ou ser pego pelos inseticidas.


Pessoal, esses e outros jogos podem ser acessados clicando diretamente nas imagens de cada um deles.
Tenho certeza que os alunos vão gostar bastante e temos aí uma excelente ferramenta para fazer com que eles consigam interagir com os conteúdos vistos em sala de aula.

Para acessar o site e ver mais jogos e outros bons recursos é só clicar em:

http://biologiainterativa.wordpress.com/biojogos/

É isso... abraço!!!

So Biologia - postado por Jimena Pereira Rodrigues Kirchner


O site http://www.sobiologia.com.b é interessantíssimo para auxiliar o professor em suas aulas de ciências e biologia. No site podemos encontrar jogos educacionais, com por exemplo nomear as partes da planta, resumo e ilustrações a respeito de disciplinas de ciências no ensino fundamental e biologia para o ensino médio. Ademais atualizações a respeito dos avanços tecnológicos e biológicos, além de glossários, provas de vestibular, simulados e cds referente à disciplina.


Dentro di site existe um cadastramento para professore e um programa denominado PRAL - portal de relacionamento educacional que facilita a vida dos estudantes e professores, que podem interagir por meio das ferramentas oferecdas, como comunicar-se com seus alunos

divulgar materiais, notas, datas...
conhecer professores e alunos de todo país
criar páginas para suas turmas
gerenciar e compartilhar seus compromissos
criar provas e jogos online
gerar um banco de questões
usar um editor colaborativo

Vale apena conferir o site e enriquece cada vez mais a docencia em classe.


Por Um Mundo Melhor - Raquel Landuchi Januário

Esta é a hora de despertar a sensibilidade.
De fazer as pazes, procurar um velho amigo,confiar,escrever uma carta de amor, dizer uma palavra meiga,incentivar um jovem,dar carinho a um idoso,cumprir uma promessa, perdoar um inimigo.
Estenda a mão, agradeça, seja amável,seja doce,sorria um pouco, sorria um pouco mais!
Conteste o mal, apoie uma causa justa, reze por alguém,creia!
Alegre o coração de uma criança, aprecie a beleza do mundo, viva!
Revele o seu amor,revele o seu amor ainda mais!
Só assim faremos um mundo melhor...

http://www.youtube.com/watch?v=lSja5H0IWYY
Este é um vídeo que traz uma mensagem muito linda que nos proporciona momentos de reflexão sobre a forma em que estamos "levando a vida".
Como se trata de um comercial, sabemos que há segundas intenções por tras das lindas palavras e imagens mostradas, mas vale a pena ver.

Tecnologias trazem o mundo para a escola

Galera,

essa é uma entrevista com a professora Maria Elizabeth Biaconcini Almeida, da PUC São Paulo, sobre o uso de novas tecnologias na educação. Para ela o futuro das escolas será pautado por uma palavra: conectividade.
"Há uma certa polêmica em torno do uso das tecnologias em sala de aula. Afinal, os efeitos são positivos ou negativos para o desempenho dos alunos?"

Vale a pena ler a entrevista!
Abraços!
CILEIDE BRASIL

Fonte: www.scribd.com/doc/13220562/Tecnologias-Trazem-o-Mundo-Para-a-Escola

Aprendendo biologia com a linguagem cinematográfica (Por Bruna Vicente Leandro)

Oito filmes para refletir sobre biologia e ciências

Alice Dantas Brites*
Especial para a Página 3 Pedagogia & Comunicação

Nas montanhas dos gorilas retrata a luta de Dian Fossey pela preservação de espécie ameaçada

Além de momentos de diversão ou lazer, assistir a um filme também pode ser uma ótima oportunidade de aprendizado. Existem muitos filmes que trazem informações, ajudam a refletir ou complementam assuntos tratados em sala de aula. Porém, é sempre necessário ter uma visão crítica desses filmes.

Em especial, quando o assunto é ciência, é preciso estar atento a possíveis inconsistências entre a verdade científica e aquilo que é apresentado na história.

Segue uma pequena lista de filmes que podem ser interessantes para aprender ou refletir sobre alguns temas tratados nas aulas de ciências ou biologia.


Uma verdade inconveniente (Dir. Davis Guggenhein, EUA, 2006):
Documentário no qual o ex-vice-presidente dos EUA, Al Gore, apresenta uma série de fatos e dados sobre as condições climáticas e sobre o aquecimento global. Gore transmite a mensagem de que é preciso agir com urgência para proteger a Terra e impedir os efeitos das mudanças climáticas.

Ótimo filme para aprender as causas e conseqüências do aquecimento global. Excelente para refletir sobre que medidas mundiais podem ser tomadas para contornar essa situação, bem como de que forma cada um de nós pode contribuir para a causa.


Osmose Jones (Dir. Bobby e Peter Farreley, EUA, 2001):
O filme é uma interessante viagem pelo sistema imunológico humano. Tudo começa quando Frank contrai o que a princípio parece ser um simples resfriado. A partir daí, conhecemos o interior de seu organismo que é chamado de "a cidade de Frank". Os glóbulos brancos são representados por policiais responsáveis pela segurança da cidade. Têm como líder um linfócito chamado Osmose Jones.

Jones comanda a luta contra o vírus. que entrou no corpo de Frank disfarçado de resfriado para despistar o sistema imunológico. Na verdade trata-se de um novo tipo de vírus, chamado Thrax. O plano de Thrax é se multiplicar rapidamente e matar Frank em 48 horas para, desta forma, ficar conhecido pela medicina como uma nova e terrível doença.


Homo sapiens 1900 (Dir. Peter Cohen, Suécia, 1998)
Documentário que mostra a pesquisa sobre a eugenia, ou seja, sobre a seleção e a purificação da raça humana, no início do século 20. O filme narra, principalmente, a busca de um embasamento científico e a utilização de ética.

Apesar de abordar as leis de hereditariedade, o filme faz refletir principalmente sobre as questões éticas acerca da eugenia. A purificação racial é algo eticamente aceitável? Além da questão moral, quais seriam os riscos de diminuir a variabilidade genética de uma espécie? Outro ponto importante: como as teorias científicas, tidas como verdadeiras num certo período, podem ser utilizadas para embasar políticas públicas e influenciar o comportamento de uma sociedade.


O curandeiro da selva (Dir. John McTierman, EUA, 1992):
O filme conta a história de um cientista chamado Robert Campbell que trabalha para uma grande indústria farmacêutica. Ele é enviado para a floresta amazônica em busca de plantas que forneçam princípios ativos para medicamentos. Lá ele passa a habitar uma aldeia indígena localizada na região onde realiza a busca. Campbell descobre uma substância, extraída de uma rara bromélia, que teria ação no combate ao câncer. Porém ele enfrenta problemas para sintetizar a substância e extrair seu princípio ativo. Ao mesmo tempo, os arredores da aldeia começam a ser devastados pela derrubada de madeira e a construção de uma estrada.

O filme ilustra o potencial da biodiversidade das florestas tropicais em relação à pesquisa de princípios ativos para a fabricação de medicamentos. No filme também é possível aprender algo sobre o processo de extração de princípios ativos e a síntese de substâncias em laboratório. Outro ponto importante é o impacto da extração madeireira sobre a biodiversidade e sobre as comunidades florestais na Amazônia.


A ilha (Dir. Michael Bay, EUA, 2005):
O filme se passa num futuro próximo no qual a clonagem humana é possível e permitida. Assim, as pessoas podem encomendar clones de si mesmas para o caso de um dia precisarem de um transplante. Os clones vivem em local isolado e numa sociedade altamente vigiada. Não sabem qual é a sua verdadeira finalidade. Conta-se para eles que a Terra está contaminada e, por isso, é necessário viver neste local isolado.

De vez em quando um deles é sorteado para, supostamente, ir morar em uma ilha que não foi contaminada. Na verdade, estes são os clones cujos donos estão precisando de algum transplante. O filme lembra o que é um clone e como é realizado o processo de clonagem. Também é uma oportunidade para se discutir se a clonagem de humanos é possível, se essa seria uma prática moralmente aceitável e quais as questões éticas que entrariam em jogo nesse caso.


E a banda continua a tocar (Dir. Roger Spottiswoode, EUA, 1993)
O filme conta a história da descoberta da AIDS a partir da morte de diversos homossexuais no final da década de 70. Mostra como, a princípio, a doença era vista como exclusiva das comunidades homossexuais e o preconceito existente contra os portadores. Retrata também a dificuldade dos cientistas em estudar a origem da doença e a relutância das instituições em financiar as pesquisas e em falar sobre o tema.

"E a banda continua a tocar" é baseado em fatos reais e, portanto, é uma boa maneira de aprender sobre a origem da AIDS, bem como para conhecer seus sintomas, formas de transmissão e prevenção. Também pode servir como ponto de partida para debates sobre o preconceito e o impacto deste nas políticas públicas direcionadas à doença.


Nas montanhas dos gorilas (Dir. Michael Apted, EUA, 1988)
Conta a história real de uma antropóloga americana, chamada Dian Fossey, que vai para a África estudar o comportamento dos gorilas. Lá ela acaba por descobrir que esses primatas estão seriamente ameaçados pela caça ilegal. Dian se torna uma das maiores defensoras dos gorilas e passa a dedicar sua vida a sua preservação.

O filme é uma boa oportunidade para conhecer um pouco da atividade dos pesquisadores de campo e os obstáculos que podem surgir no desenvolvimento de uma pesquisa. Também é excelente para refletir sobre as espécies ameaçadas de extinção e sua conservação. A partir dele, você pode discutir as medidas conservacionistas atualmente postas em prática em nosso país e daquelas que, em sua opinião, seriam necessárias para a conservação de uma espécie ameaçada de extinção.


A ilha das flores (Dir. Jorge Furtado, Brasil, 1989):
Este curta metragem narra o percurso de um tomate estragado desde o momento de sua compra em um supermercado até seu destino em um lixão. No lixão os restos orgânicos servem de comida para um criador de porcos. Após a alimentação dos animais, o proprietário libera a entrada de habitantes da ilha, extremamente pobres, para que estes procurem por restos de comida.

O filme realiza uma crítica ao consumismo e a geração desigual de renda na sociedade contemporânea. Assistindo ao filme, além de refletir sobre questões como a pobreza e a desigualdade social, também travamos contato com questões socioambientais, como as diferenças entre o consumismo e o consumo responsável ou consciente.
*Alice Dantas Brites é professora de biologia.

Fonte: http://educacao.uol.com.br/biologia/filmes-biologia-ciencias.jhtm

Projeto Tamar

Projeto Tamar

Galera esse projeto é muito interessante vale a pena dar uma olhada...além disso é uma dica interessante para ser trabalhada em sala de aula, já que uma das bases desse projeto fica em Florianópolis,na praia da Barra da Lagoa, distante 25 km do centro de Florianópolis, na Costa Leste da Ilha.
É só clicar no titulo que da acesso ao site...



PROJETO TAMAR

O nome TAMAR foi criado a partir da contração das palavras “tartaruga marinha”. A abreviação se mostrou necessária ainda no início dos anos 80, para a confecção das pequenas placas de metal utilizadas na identificação das tartarugas marcadas pelo Projeto para estudos de biometria, monitoramento das rotas migratórias e outros.

Desde então, o Projeto TAMAR passou a designar o Programa Brasileiro de Conservação das Tartarugas Marinhas, que é executado pelo ICMBio, através do Centro Brasileiro de Proteção e Pesquisa das Tartarugas Marinhas (Centro TAMAR-ICMBio), órgão governamental; e pela Fundação Centro Brasileiro de Proteção e Pesquisas das Tartarugas Marinhas (Fundação Pró-TAMAR), instituição não governamental, de utilidade pública federal.

Essa união do governamental com o não-governamental revela a natureza institucional híbrida do Projeto TAMAR. O TAMAR conta ainda com a participação de empresas e instituições nacionais e internacionais, além de organizações não-governamentais

Vamos ajudar nossos aminais!! (Por: Sacha Kuerten Cechinel)

Defenda os animais domésticos dizendo NÃO ao projeto de lei!

Segundo a Lei de Crimes Ambientais, é crime praticar ato de violência contra qualquer animal. Porém, tramita no Congresso Nacional um Projeto de Lei (PL 4.548/98) que visa acabar com essa proteção para os animais domésticos.

A intenção do Projeto de Lei é alterar o art. 32 da Lei de Crimes Ambientais, retirando a expressão “domésticos e domesticados” e, assim, descriminalizar atos de abuso e maus-tratos contra esses animais.

Essa alteração significaria um enorme retrocesso na história da proteção animal no Brasil, ao tornar ainda mais branda a legislação animal vigente, favorecendo a impunidade.

Os inúmeros casos de maus-tratos que se repetem diariamente no país deixariam de ser crime. O combate às condenáveis rinhas de cães e galos, por exemplo, seria dificultado ao extremo.

Você faria algo bem simples para ajudar os animais domésticos no Brasil?

O momento é delicado, sendo de fundamental importância que todos aqueles que se importam com os animais se manifestem. Lembre-se que a opinião popular é essencial para a aprovação ou rejeição de leis.

A WSPA Brasil elaborou uma carta online a ser enviada aos deputados federais, pedindo que NÃO APROVEM o Projeto de Lei 4.548/98, que modifica o art.32.

Para colaborarmos, bastar acessar o link abaixo, que é fonte desta informação. Preencha os dados solicidados no site e uma carta online será enviada aos deputados do Estado do solicitante.

http://e-activist.com/ea-campaign/clientcampaign.do?ea.client.id=101&ea.campaign.id=4207

Eu já fiz minha parte, faça a sua!!
Os animais e o planeta agradecem!

Absurdo no Congresso Nacional! (Por: Sacha Kuerten Cechinel)


Sexta-feira, 16 de outubro de 2009
Projeto de lei quer retirar proteção de animais

Com um clique você ajuda nossos bichosFoto: Divulgação, scx
Divulgação, scx

É hora de ajudarmos nossos animais domésticos!

Segundo a Lei de Crimes Ambientais, é crime praticar ato de violência contra qualquer animal. Porém, tramita no Congresso Nacional um Projeto de Lei (PL 4.548/98) que visa acabar com essa proteção para os animais domésticos.

A intenção do PL é alterar o art. 32 da Lei de Crimes Ambientais, retirando a expressão “domésticos e domesticados”, e assim descriminalizar atos de abuso e maus-tratos contra esses animais.

A WSPA Brasil elaborou uma carta online a ser enviada aos deputados federais, pedindo que NÃO APROVEM o Projeto de Lei 4.548/98.

Repasse. O caso é sério! Não vamos deixar tanto trabalho e tanta luta acabarem assim. É absurdo!

Fonte: http://www.clicrbs.com.br/blog/jsp/default.jsp?source=DYNAMIC,blog.BlogDataServer,getBlog&uf=2&local=18&template=3948.dwt§ion=Blogs&post=238013&blog=43&coldir=1&topo=3994.dwt

Reciclagem e Meio Ambiente por Bruna Freitas da Silva

Baseado em pesquisas do IBGE cada brasileiro gera cerca de 1,25 kg de lixo por dia e mais da metade deste lixo é enviado a lugares inadequados como os lixões.
Todo o processo de geração, coleta, processamento e armazenamento do lixo resulta em problemas sociais, ambientais e econômicos. Como quase todas as atividades humanas geram resíduos, em quase todos os lugares há a possibilidade do lixo estar causando problemas. Mesmo quando o lixo é tratado adequadamente alguns problemas persistem, mas no Brasil 59% do lixo produzido são lançados a céu aberto (IBGE, 2000).
A reciclagem é uma das alternativas para o tratamento do lixo urbano e contribui diretamente para a conservação do meio ambiente. Ela trata o lixo como matéria prima que é reaproveitada para fazer novos produtos e traz benefícios para todos, como a diminuição da quantidade de lixo enviada para aterros sanitários, a diminuição da extração de recursos naturais, a melhoria da limpeza da cidade e o aumento da conscientização dos cidadãos a respeito do destino do lixo.
Para compreendermos a reciclagem, é importante "reciclarmos" o conceito que temos de lixo, deixando de enxergá-lo como uma coisa suja e inútil em sua totalidade. O primeiro passo é perceber que o lixo é fonte de riqueza e que para ser reciclado deve ser separado. Ele pode ser separado de diversas maneiras, sendo a mais simples separar o lixo orgânico do inorgânico.
A reciclagem traz os seguintes benefícios:

* Contribui para diminuir a poluição do solo, água e ar.
* Melhora a limpeza da cidade e a qualidade de vida da população.
* Prolonga a vida útil de aterros sanitários.
* Melhora a produção de compostos orgânicos.
* Gera empregos para a população não qualificada.
* Gera receita com a comercialização dos recicláveis.
* Estimula a concorrência, uma vez que produtos gerados a partir dos reciclados são comercializados em paralelo àqueles gerados a partir de matérias-primas virgens.
* Contribui para a valorização da limpeza pública e para formar uma consciência ecológica.

Ao invés de fórmulas complexas ou soluções mágicas ou ainda passar a responsabilidade para o governo, a solução para esta questão passa pelo cotidiano de cada um de nós.
Todos nós geramos lixo diretamente em nossas atividades diárias e indiretamente por conta de todas as nossas necessidades (alimentos, moradia, roupas, tratamento médico, lazer etc.), portanto somos todos responsáveis por este problemão.
A educação é a melhor e mais confiável saída para esta encrenca e, por incrível que pareça, há uma filosofia muito simples que é considerada a solução mais completa.

FONTES:
http://www.ambientebrasil.com.br/composer.php3?base=residuos/index.php3&conteudo=./residuos/reciclar.html
http://www.tetrapak.com.br/tetravc/meio/escola/escola_info.asp?tipo=4
http://www.recicloteca.org.br

A música e o ensino da Biologia! (postado por Gabrielle Siqueira da Cunha)

Ensinar Biologia através da Música

Há uma constante interação entre a cultura e biologia, aquilo que é tido como biológico, isto é, todos os ramos da biologia, de uma forma se entrelaçam no que chamamos e vivemos como cultura.
A metodologia de ensino nas escolas inovou muito com o avanço da tecnologia, fez se necessário o uso de ferramentas mais versáteis e conteúdos mais flexíveis de acordo com a nova proposta pedagógica que se apresenta na sala de aula, o uso de artefatos culturais tornou-se cada vez mais indispensável no fenômeno “ensino-aprendizagem”. Estudos e pesquisas mostram que a aprendizagem musical contribui para o desenvolvimento cognitivo, psicomotor, emocional, afetivo e, principalmente, para a construção de valores pessoais e sociais de crianças e jovens.
A música como qualquer outra arte acompanha historicamente o desenvolvimento da humanidade e pode se observar ao analisar as épocas da história, pois em cada uma, ela está sempre presente, é uma prática social, que constitui instância de socialização, sendo possível exercitar as capacidades de ouvir, compreender e respeitar o outro e é uma das formas mais interessantes para ensinar assuntos maçantes e monótonos. O educador entra numa sala de aula e se depara com uma turma desanimada, ele fala alto, gesticula, se empenha, mas nada faz com que a classe acompanhe com gosto o seu raciocínio, pensando nisso um professor de biologia do Colégio e Curso Objetivo em São Paulo transformou músicas famosas em paródias com assuntos da biologia. Constantino Carnelos começou a criar as músicas para motivar os alunos, fazer com que eles gostassem e revisassem a matéria, e observou que depois de muito tempo sem ver um conteúdo, os alunos lembravam-se dele em poucos segundos. “As letras podem ficar na memória por anos, hoje, muitos dos meus médicos são ex-alunos. Alguns deles me recebem em seus consultórios cantando as “musiquinhas” que eu os ensinei em aula", conta o professor.
Sensibilizar as pessoas utilizando a música é uma ferramenta em potencial para ensinar ciência, como qualquer outra disciplina que utilize a linguagem verbal, ajudando na divulgação e compreensão da mesma, tornando-a ainda mais humana, considerando que “Aquilo que nos chama atenção, que nos revela coisas com as quais nos identificamos ou nos “rebelamos”; que nos desperta sensações ou mesmo emoções, parece ser o que constrói nossos conhecimentos mais significativos”.
Podemos identificar a música com uma atividade lúdica ou um artefato cultural facilitador da aprendizagem, no entanto pode ser considerada como um lugar onde circulam diversas significações.
As paródias proporcionam ao educando, momentos de descontração e memorização do conteúdo proposto, a paródia “Hormônios do Corinthians”, ao mesmo tempo em que tem como harmonia o Hino do Corinthians conhecido nacionalmente, entra com a melodia de assuntos da biologia, como a produção de insulina pelo organismo humano, na conhecida “ Sinos de Belém” a relação que o autor faz entre a cultura e a biologia, resgatando um tema que é o Natal, data comemorativa conhecida mundialmente e a transformou na paródia falando sobre o encéfalo e o cérebro.
Nos casos “Metamorfose da barata” paródia de “A barata diz que tem” e “Atirei o pau no átomo” paródia de “Atirei o pau no gato” são cantigas infantis ensinadas lá na fase primária e foram transformadas num tema estudado no ensino fundamental e médio. Xuxa, Cazuza, são artistas que entram no hall de músicas convertidas em paródias para ensinar a biologia.
A música real, isto é, aquela que alguém compõe e pode ser adaptada e interpretada por outros e tem uma única e exclusiva mudança: o ritmo, esta em toda sua amplitude propicia ao aluno momentos de reflexão. Cada uma com sua letra, embalo e som pode originar a mistura de diferentes sentimentos em cada pessoa, é um caminho direto para as mais profundas emoções. Um vídeo com a música “Absurdo” de Vanessa Da Mata, convida à refletir sobre o meio ambiente, a natureza em suas belas formas que está sendo destruída pela ambição humana, esta que cada vez mais preocupada com o materialismo, o consumismo, deixando de lado as “histórias”, os “sabores”, como podemos observar na estrofe “destruição é reflexo do humano,
se a ambição desumana o Ser”. A frase “sujamos os rios dependemos da água” assimila a água como elemento da vida, isto se sabe, mas a falta de conscientização faz com que a usamos de forma descontrolada e poluímos de forma hipócrita. “Falsos bens, progresso? com a mãe ingratidão, deram o galinheiro pra raposa vigiar”, a última estrofe da música, fixa a idéia de que, o país “corre risco” de degradação ambiental, com a falta de reconhecimento e conscientização do ser humana que nele habita e o administra.
Podemos concluir que a música está ligada ao ser humano desde muito cedo e que sem ela o mundo se tornaria vazio. Na sala de aula, auxilia de forma significativa na aprendizagem, claro que, é necessário que o professor seja mediador de cultura dentro do processo educativo e saiba a importância do aprendizado através da arte. Enfim, a música é um instrumento que facilita o fenômeno ensino-aprendizagem, todavia deve ser possibilitado e incentivado o seu uso em sala de aula.

Paródias!!!

Para a contração do mús-cu-lo
Acti-na-na
Miosi-na-na
Não encurtam-se
Só deslizam-se
Sempre com, sempre com
Grande gasto de ATP
Iááááá...”
(Paródia de “Atirei o pau no gato”)


CIRCULAÇÃO DA XUXA

Tá na hora, tá na hora
Desse sangue circular
Do ventrículo direito
Pra artéria pulmonar
Do pulmão vai prúma veia
Que também chama pulmonar
Átrio e ventrículo esquerdo
Que pra aorta vai bombear
Ilá – olá – ilariê, ar – ar – ar
É o sangue venoso
Na artéria pulmonar
Ilá – olá – ilariê, ar – ar – ar
É o sangue arterial
Indo pra veia pulmonar
Através da veia cava
Sangue pode retornar
Para o átrio direito
Pra tudo recomeçar
(paródia da música, Ilariê da Xuxa)

SINOS DE BELÉM
O encéfalo é formado
Lembre sempre bem
Pelo cérebro, cerebelo
E bulbo também
O encéfalo, junto com
Medula espinhal
Constituem o sistema nervoso central
O sistema autônomo
Tem duas divisões
Uma é o simpático
Que acelera os corações
O parassimpático
Pra contrabalançar
Faz o coração
Bater mais devagar


METAMORFOSE DA BARATA
A barata diz que tem
Metamorfose total
É mentira da barata
Ela tem é parcial
Há, há, há
Há, há, há
Ela tem é parcial


HORMÔNIOS DO CORINTHIANS (Hino)
Salve a insulina
Que o pâncreas fabrica aos montões
Se não fabrica
Diabete vem, complicações
E adrenalina
É feita na supra-renal
Tiroxina
Tireóide, bócio, iodo e sal


Letra da música: ABSURDO
(Vanessa Da Mata)

Havia tanto pra lhe contar
A natureza
Mudava a forma o estado e o lugar
Era absurdo

Havia tanto pra lhe mostrar
Era tão belo
Mas olhe agora o estrago em que está

Tapetes fartos de folhas e flores
O chão do mundo se varre aqui
Essa idéia do natural ser sujo
Do inorgânico não se faz


Destruição é reflexo do humano
Se a ambição desumana o Ser
Essa imagem de infértil deserto
Nunca pensei que chegasse aqui


Auto-destrutivos,
Falsas vitimas nocivas?

Havia tanto pra aproveitar
Sem poderio
Tantas histórias, tantos sabores
Capins dourados

Havia tanto pra respirar
Era tão fino
Naqueles rios a gente banhava

Desmatam tudo e reclamam do tempo
Que ironia conflitante ser
Desequilíbrio que alimenta as pragas
Alterado grão, alterado pão

Sujamos rios, dependemos das águas
Tanto faz os meios violentos
Luxúria é ética do perverso vivo
Morto por dinheiro

Cores, tantas cores
Tais belezas
Foram-se
Versos e estrelas
Tantas fadas que eu não vi

Falsos bens, progresso?
Com a mãe, ingratidão
Deram o galinheiro
Pra raposa vigiar

Links:

Meio Ambiente X Sacolas Plásticas

Sacolas plásticas X meio ambiente
As sacolas plásticas ou saquinhos de supermercado são uma "praga" moderna que deve ser aos poucos abandonada por todos nós. Saiba mais sobre seus malefícios e como eliminá-la de sua vida.


A maioria das invenções estão diretamente relacionadas com nosso conforto e praticidade, porém muitas delas são colocadas no mercado sem nenhuma pesquisa mais profunda de seu impacto, principalmente ambiental. A regra é o lucro imediato. Este é o caso das sacolas plásticas ou "saquinhos de supermercado". Que nos últimos tempos ela virou uma "praga" ninguém pode negar. Uma praga digo no sentido de que qualquer coisa que compramos, até mesmo uma cartela com 4 comprimidos, é embalada nela.
Origem

Sua invenção data de 1862 e foi uma revolução para o comércio por sua praticidade e por ser barata. Apesar de antiga a invenção veio explodir no Brasil a partir da década de 80, contribuindo para a filosofia do "tudo descartável". Mas agora sabemos (e os Europeus já sabem há um bom tempo) que elas são um dos grandes vilões do meio ambiente e apenas agora nos demos conta disto, bem como várias outras coisas que antes utilizávamos sem nenhum peso na consciência.

Motivos de sobra para abandoná-la

Mas porque ele é assim tão prejudicial para o meio ambiente? Bem, em primeiro lugar o saquinho plástico é um derivado do petróleo, substância não renovável, feita de uma resina chamada polietileno de baixa densidade (PEBD) e sua degradação no ambiente pode levar séculos, ou seja, seu tataraneto pode no futuro se deparar com o saquinho que você jogou fora hoje. No Brasil aproximadamente 9,7% de todo o lixo é composto por saquinhos plásticos, além disso a produção do plástico é ambientalmente nociva. Para produzir uma toneada de plástico são necessários 1.140 kw/hora (esta energia daria para manter aproximadamente 7600 residências iluminadas com lâmpadas econômicas por 1 hora), sem contar a água utilizada no processo e os degetos resultantes.

Há um outro grande problema: a poluição dos mares por este tipo de lixo. Saquinhos plásticos no mar são confundidos por peixes e, principalmente, pelas tartarugas marinhas como águas vivas, um de seus alimentos. Assim ao ingerir o saquinhos as tartarugas morrem por obstrução do aparelho digestivo. Se você tiver oportunidade de um dia visitar o Projeto Tamar, verá que lá estão expostos vários cadáveres de tartarugas que morreram desta forma.

Os saquinhos também são uma das causas do entupimento da passagem de água em bueiros e córregos, contribuindo para as inundações e retenção de mais lixo. Quando incinerado libera toxinas perigosas para a saúde.

O que fazer então?

A grande idéia é aos poucos substituirmos as sacolas plásticas descartáveis, ou por sacolas realmente biodegradáveis (pesquisas estão sendo feitas no Brasil para a produção de plásticos a partir da cana de açúcar e milho) ou por sacolas não descartáveis. Lembra daquelas antigas sacolas de feira? Isto mesmo, elas aos poucos estão voltando e com força total.

Seguem algumas dicas de como começar a diminuir o uso das sacolas descartáveis:

Comece a levar uma sacola própria para fazer as compras, seja no supermercado, na venda, quitanda ou feira. Não importa que nela não caibam todas as suas compras, pelo menos uma parte delas vai para a sua casa sem utilizar o saquinhos;
As famosas "sacolas de feira" são uma grande dica, seja ela de plástico resistente, seja de pano;
Se a quantidade de compras seja muito grande, peça no supermercado caixas de papelão para transportar as compras. Algumas redes de supermercados já oferecem esta opção;
Caso seu supermercado utilize sacolas biodegradáveis, de preferência para estas;
Cuidado com as sacolas Oxibiodegradáveis. Apesar delas se "desfazerem" no ambiente, diferentemente de uma sacola biodegradável, que é consumida por microorganismos, a sacolas Oxidegradáveis se utilizam de componentes químicos nocivos para decompô-la, continuando a poluir o ambiente, apenas não serão visíveis aos nossos olhos (para mais detalhes consulte http://www.ambiente.sp.gov.br/artigos/270707%5Fengodo%5Fplastificado.htm);
De preferência pelos sacos de papel;
Verifique as datas de validade dos produtos. Você poderá estar levando um produto que irá para o lixo. Além do desperdício de dinheiro você terá utilizado um ou vários saquinhos a toa;
Repense suas compras. Será que tudo que você está comprando será utilizado ou boa parte irá estragar e ir para o lixo? Você precisa mesmo do que está comprando ou foi a propaganda que lhe disse para comprar? Quanto menos compras, menos saquinhos serão utilizados.
Movimentações em torno do tema

Na Europa os costumes já começam a mudar. Na Alemanha se você não levar sua própria sacola ao supermercado tem que pagar um preço salgado por cada saquinho que utiliza, além de outras medidas adotadas pelo governo. A Irlanda segue o mesmo caminho e na Inglaterra redes de supermercados já oferecem saquinhos totalmente biodegradáveis.

No estado de São Paulo, o governo e entidades já estão se movimentando para reduzir o número de sacolas plásticas, incentivando com campanhas de esclarecimento a população, visando utilizar suas próprias sacolas para fazer as compras.

Mas sei que é difícil desvenciliar-se de um costume, de algo tão prático quanto as sacolinhas plásticas, porém temos que começar algum dia. Que tal hoje!?



http://www.sermelhor.com/artigo.php?artigo=56&secao=ecologia

Eveliny Miranda de Oliveira

Ensinando ciências postado por jovino.

Ensinar o que aprendemos é uma forma de reforçar ainda mais o novo conhecimento. É uma maneira de socializar o que adquirimos, permitindo com que outras pessoas tenham, também, oportunidade para tal. É esta uma das características do trabalho docente que o faz ser tão bonito e tão indispensável.

Partindo deste princípio e nos lembrando que a construção da autonomia é algo valioso que podemos trabalhar com nossos alunos, proponho um projeto no qual todos os professores de Ciências e Biologia da escola participarão.

Este consiste em cada turma confeccionar, em grupos menores, materiais didáticos/apresentações envolvendo determinado conteúdo para ser utilizado/aplicado nas séries anteriores. Por exemplo: o 6° ano elaborou para o 5° ano uma cartilha sobre doenças, uma mídia sobre ciclo da água, um jogo da memória envolvendo conceitos sobre célula e outro grupo criou uma maquete explicando os mecanismos dos vulcões. Já no 5° ano um grupo fez cartazes sobre o desenvolvimento da semente, um rap sobre as borboletas, etc., para o 4° ano. E assim sucessivamente.

Para o desenvolvimento do projeto, é necessário que cada professor ceda uma aula da semana para tal, durante aproximadamente um mês ou quanto acharem necessário. Ele deverá dar ideias, sugestões e orientação para o desenvolvimento dos trabalhos. Uma lista de temas para esta atividade poderá ser feita por cada um dos educadores, previamente, a fim de que cada grupo decida o que achar melhor e faça sua pesquisa.

Cada série deverá ter um dia específico para a atividade, que deverá ser desenvolvida no pátio da escola, por questões espaciais. Fotografar cada uma destas apresentações e, no fim, criar um mural é uma forma de estimular os alunos.

Por Mariana Araguaia
Equipe Brasil Escola

Biologia - Estratégias de Ensino - Educador - Brasil Escola


Esta ai um ótimo exemplo a ser seguido.

Poluiçao do ar: O preço do progresso!

Conjuntamente aos avanços advindos da revolução industrial em meados do séc. XVIII, a poluição do ar se fez presente, uma vez que a queima de carvão mineral despejava na atmosfera das cidades industrial enorme quantidade de poluentes. A partir de então, nós seres humanos e todo o meio em que vivemos tivemos que conviver com o ar poluído e ainda com todas as mazelas advindas desse “progresso”.

Nos dias atuais quase todas as grandes cidades do mundo padecem com os efeitos da poluição do ar. Cidades como São Paulo, Tóquio e Nova Iorque, fazem parte da lista das mais poluídas do mundo.

A geração de poluentes, nos dias de hoje, é resultado em grande parte da queima de combustíveis fósseis. A queima de gasolina e diesel, por exemplo, tem lançado uma enorme quantidade de monóxido e dióxido de carbono na atmosfera.

Ocorre que tal poluição vem gerando diversos problemas nos grandes centros urbanos, comprometendo a saúde do ser humano e comprometendo os ecossistemas e o patrimônio histórico e cultural.

A chuva acida, que é fruto dessa poluição, mata plantas e animais e aos poucos corroí monumentos históricos.

O clima também sofre alterações advindas da poluição do ar. Um claro exemplo é o efeito estufa que vem aumentando a temperatura do nosso planeta.

Os gases poluentes formam uma camada de poluição na atmosfera, bloqueando assim a dissipação do calor, fazendo com que este fique concentrado na atmosfera, o que provoca, então, as mudanças climáticas.

Estudos e pesquisadores afirmam que poderemos vivenciar a elevação do nível das águas dos oceanos, fato este que acarretará em alagamento de cidades litorâneas e ilhas: espécies animais correm o risco de serem extintas e maremotos poderão ocorrer com freqüência maior.

O que nos acalenta é o pensar que o homem – ser dotado de inteligência – assim como desenvolveu tecnologias capazes de interferirem negativamente no nosso planeta, irá por certo avançar dia-a-dia no sentido de gerar maquinas e combustíveis menos poluentes e que não produzam poluição.

jurandir westphal

Postado por Alex Santos - Documentario Sobre o pré sal


O Petroleo e Nosso....Documentario que elucida duvidas e levanta questoes pertinentes acerca do novo campo de petroleo descoberto na costa brasileira....Obrigatorio!!! Abraxxx

Levando em consideração que o BRASIL vai virar uma potencia em breve vale a pena saber o que esta acontecendo ..... Virando uma potencia ou não o brasil vai ver muito dinheiro e basta nós estudar e ficar com um pouco desse dinheiro.....

Talvez um dos documentários mais importantes sobre o assunto que pode mudar o destino do Brasil.
A riqueza das recém-descobertas reservas do pré-sal é estimada em trilhões, suficiente para suprir todas as necessidades do país, como educação, saúde, moradia, transporte, alimentação, infra-estrutura, etc.. Ou seja, podemos acabar com todas as doenças sociais do Brasil.

Monteiro Lobato, já dizia nos anos 30 que havia petróleo no Brasil, mesmo com a mídia e os “especialistas” norte-americanos ridicularizando essa idéia. Hoje a mídia se põe novamente como ferramenta das corporações internacionais para lucrar com o mercado, ela tem “vendido dificuldades para comprar facilidades”.
Isso já aconteceu com a Vale do Rio Doce que, depois de mais de 30 anos de pesquisas, conseguiu descobrir e mapear uma das maiores riquezas minerais do mundo. Nesse momento quando a empresa tinha gigantescas perspectivas de enriquecimento, foi vendida a preço-de-banana com a ajuda midiática.
Essa história pode se repetir com a Petrobrás, que, depois de desenvolver a melhor tecnologia de exploração do mundo nos oceanos, se vê ameaçada em ter seus poços leiloados.

"O petróleo não pode ser tratado como uma mera mercadoria, é um assunto estratégico".

(Comentário original: docverdade)

trailer do filme

http://www.youtube.com/watch?v=XSyL3lZ6CW0&eurl=http%3A%2F%2Fbloguedopeter.blogspot.com%2F2009%2F05%2Fo-petroleo-tem-que-ser-nosso-ultima.html&feature=player_embedded


pessoal nã cnsegui colocar o video direto

Maneiras de ajudar o planeta - Postado por Reinaldo Silveira Martins Júnior

Aqui vão algumas dicas do Biologic Experience para você poder ajudar o planeta e sem gastar nada.

O que você pode fazem em casa?

01) Reciclando o lixo: Se sua familia participar do programa de coleta seletiva (se houver em sua cidade) você diminuirá em 1 t0nelada por ano a emissão de dióxido de carbono na atmosfera.

02) Jogue menos comida fora: aproveite talos, cascas e restos em receitas nutritivas. Restos de comida representam 60% do lixo que vem dos lares brasileiros, e sua decomposição resulta na produção de gás metano, ligado ao efeito estufa.

03) Prefira alimentos frescos: comida congelada precisa de dez vezes mais energia para ser produzida.

04) Regule o Termostato da geladeira: se ela não estiver lotada, a refrigeração pode ser mínima. Manter a temperatura abaixo de 5 ou 6 graus aumenta o consumo energético em 7%.

05) Encha a Máquina: só use a máquina de lavar roupa quando ela estiver com sua capacidade máxima — cada ciclo consome 150 litros de água.

E para você que possui carro ficam as dicas abaixo também.

06) Por que não trocar de carro? veículos pequenos são mais leves e, por isso, mais econômicos. Enquanto um modelo utilitário, tipo 4x4, emite cerca de 9.000 quilos de CO2 por ano, um sedã médio produz 5.400 quilos.

07) Vá à pé ou de bicicleta: se seu carro ficar uma vez por semana na garagem, ao fim de um ano a economia em emissão de CO2 chegará a 440 quilos — volume que uma árvore de grande porte leva vinte anos para absorver no processo de fotossíntese.

08) Lave a seco: a economia é de 316 litros de água para cada veículo, em média.

09) Não jogue a bateria usada no lixo: ao comprar uma nova, deixe a velha na revenda autorizada e certifique-se de que ela será encaminhada ao fabricante. É possível reciclar 95% de seus componentes, incluindo o principal, o chumbo-ácido, que pode contaminar o solo.

Essas dicas foram retirados do site Planeta Sustentável - visite e dê uma olhada no que você pode fazer pelo nosso planeta.

Endereço: http://planetasustentavel.abril.com.br

ENERGIA PURA



Olá pessoal

Gostaria de deixar como sugestão para uma aula de bilogia o filme Energia Pura.

Quando dei aula de Educação Ambiental em Governador Celso Ramos/SC,
usei este filme como recurso.

É natural nesta cidade a caça de passarinhos e a farra do boi, inclusive para as crianças.

Encontrei no site http://www.acafic.com.br/blog/sugestao-de-filme-energia-pura-powder/ bem o trecho do filme que eu queria passar para as crianças, onde um caçador consegue sentir toda a agonia que o animal que ele atirou sentiu até a sua morte.

Vale a pena assistir.

Maici Alboleda Silva

Livro das águas

Através da utilização da Internet, também se pode conseguir muitos recursos importantes para se trabalhar em sala de aula, em aulas de Biologia.

Livro das Águas
Saiba mais:
Conheça a campanha Água para Vida, Água para Todos
Faça sua parte: ajude a conservação da natureza
Cadernos de Educação Ambiental Água para a Vida, Água para Todos
Os Cadernos de Educação Ambiental Água para a Vida, Água para Todos, lançados pelos programas Educação Ambiental e Água para a Vida, do WWF-Brasil, acabam de chegar à Internet. Você poderá navegar em uma publicação dedicada às águas do Brasil, que reúne informações e atividades educativas em torno de um tema integrado a todas as questões ambientais.

Os Cadernos são um material versátil que pode ser facilmente adaptado por educadores, professores, monitores, recreacionistas, gestores sociais, líderes comunitários à realidade que os cerca e auxiliar na elaboração de atividades, campanhas e projetos pela natureza. Confira a versão especial da publicação para a Internet
Os Cadernos de Educação Ambiental Água para a Vida, Água para Todos podem ser baixados em formato PDF para impressão ou acessados em sua versão para Internet:

http://www.wwf.org.br/natureza_brasileira/meio_ambiente_brasil/agua/educacao_ambiental_agua/

Por: Rosilda Cancelier Maria Sumariva

Utilizando programas de TV no ensino de genética por Thamara Gershenson de Freitas

A importância do uso de diferentes recursos em sala de aula vem sendo percebida cada vez mais, pois auxilia na aprendizagem dos alunos, fazendo eles entenderem melhor o assunto e prendendo mais sua atenção. Ao ensinar genética, não poderia ser diferente, para alguns é algo muito complexo entender como as características genéticas se manifestam, como uma pessoa cria a sua personalidade, como algumas pessoas tem uma memória melhor que outra, como o meio ambiente pode alterar nos exemplos citados acima assim como nas características físicas. É possível notar que muitas vezes nossos pais têm estatura alta, que temos genes que caracterizam que seremos altos, mas quando nos damos conta não chegamos a estatura que era suposta. Por quê? O meio ambiente interfere? Os nossos hábitos comportamentais podem interferir numa predisposição genética? E se eu tiver uma gene com predisposição a algum tipo de câncer quer dizer que terei câncer?


Ficamos confusos ao pensar em todas as questões que envolvem genética, e os livros não são suficientes para esclarecer todas as nossas dúvidas, aí é que entram os artefatos culturais, aproximando coisas cientificas a nossa realidade. Poderíamos usar um programa de televisão, por exemplo, para gerar discussões sobre o assunto, interesse e esclarecer nossas dúvidas. Este é o caso do programa O Assunto É, transmitido pela TV PUC-Campinas. Exibindo a edição O Assunto É Genética para os alunos, é possível responder algumas questões levantadas acima. Também são abordados os assuntos: de que modo os estudos do código genético podem ajudar na prevenção, no diagnóstico, e na cura de doenças nos seres humanos? E no melhoramento da performance das plantas e dos animais? Esses estudos auxiliam na agricultura?


O programa nos remete a respostas objetivas e esclarecedoras, é dado como exemplo o caso de gêmeos univitelinos, que significa que têm o mesmo código genético, porém possuem personalidades muito diferentes. Isso deve-se ao meio, por mais que eles vivam no mesmo ambiente, sendo criados pelos mesmos pais, compartilhando dos mesmos amigos e atividades, cada um terá uma experiência diferente e isso interfere na formação de sua personalidade, humor, gostos, aspectos físicos – um pode ser mais alto que o outro, um pode ser mais magro que o outro. Assim podemos perceber que o ambiente tem interferência na manifestação de nossas características genéticas, Edimilson Ricardo Gonçalves, especialista em genética e docente na faculdade de Biologia da PUC em Campinas, cita como exemplo que há um ano atrás foi descoberto que pessoas que tomavam remédios anti-inflamatórios não esteróidais apresentavam quase 50% de chance a menos de desenvolver alzheimer, que é uma doença de origem genética.


Ao analisar os genes de uma pessoa há como descobrir se ela tem predisposição ao câncer de mama, por exemplo, e isso não significa que ela irá desenvolver o câncer, apenas serve como um alerta para a pessoa fazer exames seguidos e ter a chance de descobrir no início, podendo assim, ser curada.


São alguns exemplos do que podemos passar para os nossos alunos através deste programa de televisão. Seguem abaixo os vídeos do programa:




Humanidade sem Raças?

Bem pessoal, aí vaí uma idéia para reflexão sobre evolucionismo, genética e cultura, através de um livreto lançado em 2008, com autoria do geneticista Sérgio Pena. Livro com texto simples e que nos convida a uma análise crítica do que se conhece sobre o assunto e daquilo que as sociedades têm vivido em relação a esse "conhecimento". Muito interessante para o trabalho em salas de aula de ensino médio e meio acadêmico!
-
Patrick P. Fernandes.
_________________________________________

_________________________________________

O autor examina a questão sob o prisma da biologia e da genética moderna, com uma perspectiva histórica. E propõe, já no trecho de abertura do livro, a necessidade da "desinvenção" imediata do conceito de "raças".
"Perversamente, o conceito tem sido usado não só para sistematizar e estudar as populações humanas, mas também para criar esquemas classificatórios que parecem justificar o status quo e a dominação de alguns grupos sobre outros", afirma o autor. "Assim, a sobrevivência da ideia de raça é deletéria por estar ligada à crença continuada de que os grupos humanos existem em uma escala de valor."

Vale acrescentar, ainda, um outro trecho do início da obra:

"O que proponho para o século 21 é (...) um novo paradigma genômico/individual de estrutura da diversidade humana, que vê essa espécie dividida não em raças ou populações, mas em seis bilhões de indivíduos genomicamente diferentes entre si, mas com graus maiores ou menores de parentesco em suas variadas linhagens genealógicas.
Este (...) novo modelo genômico/individual valoriza cada ser humano como único, em vez de enfatizar seu pertencimento a uma população específica, e está solidamente alicerçado nos avanços da genômica, especialmente na demonstração genética e molecular da individualidade genética humana e na comprovação da origem única e recente da humanidade moderna na África. Ele é fundamentalmente genealógico e baseado na história evolucionária humana - enfatiza a individualidade e a singularidade das pessoas e o fato de que a humanidade é uma grande família. Nele, a noção de raça humana perde totalmente o sentido e se desfaz como fumaça."
_________________________________________

É possível conferir mais detalhes e parte da publicação no endereço eletrônico:
http://holocausto-doc.blogspot.com/2009/09/humanidade-sem-racas.html

Vídeos Youtube por Lena Ribeiro Leitão

Gente, na minha opinião, em aulas de ensino médio principalmente, a Internet é um recurso a ser explorado incansavelmente! E dentro dela há, em particular, o Youtube, que está cheio de possibilidades de uso em sala de aula e fora dela, fazendo com que os alunos se sintam estimulados a pesquisarem sobre o conteúdo em casa.

Seguem dois vídeos que eu acho espetaculares, sobre citologia. Apesar de terem textos/áudio em inglês, o professor pode passar a tradução destes, ou então criar um roteiro para os alunos se situarem nos vídeos.

Inside the Cell



Esta animação ilustra especificamente o processo de mitose, frequentemente apresentado em apenas duas dimensões pelos livros e apostilas. Dessa maneira, o aluno consegue visualizar as organelas com muito mais detalhes, sem precisar ficar imaginando.

The Inner Life of the Cell



Este é muito mais rico em detalhes do que o anterior, ele mostra claramente as proteínas carreadoras, o citoesqueleto, a síntese protéica, a atividade do Complexo de Golgi, a diapedese. Sugiro que este seja acompanhado pelo professor, visto que mostra os processos de maneira muito mais complexa que o outro vídeo.

É isso, espero que tenham gostado, eu pelo menos adorava esse tipo de recurso quando estava no Ensino Médio, e também da faculdade.
Beijos,
Lena Ribeiro Leitão

Salve a Amazônia! Postado por Tatiane Rodrigues Costa


5.jpg

Estudo: 40% da Amazônia pode desaparecer até 2050

Por volta de 40% da floresta amazônica desaparecerá antes de 2050 se nada for feito para impedir sua destruição, não apenas em terras públicas mas também privadas, afirmam os autores de um estudo que será publicado na edição de quinta-feira da revista britânica Nature.

A proteção das reservas naturais públicas não bastará para proteger do desmatamento a parte brasileira da Amazônia, dada a extensão atual do rebanho e do cultivo de soja nesta região, que conduz, entre outras coisas, à construção de estradas, destacam os cientistas.

Segundo o principal autor do estudo, Britaldo Silveira Soares Filho, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), se o desmatamento descontrolado prosseguir, seis bacias hidrográficas da Amazônia perderão pelo menos dois terços da camada florestal.

Além disso, 25% das 382 espécies endêmicas de mamíferos perderão mais de 40% de seu habitat, concluíram por meio de um programa de computador.

Além de criar parques públicos de preservação ambiental, afirmam os autores do estudo, é necessário obrigar os agricultores a gerenciar suas explorações respeitando técnicas de desenvolvimento sustentável, inclusive com a aplicação de multas financeiras contra os resistentes.

"A rede de áreas protegidas da bacia do Amazonas pode permitir proteger uma grande parte da diversidade da região em termos de mamíferos, mas não impedirá o empobrecimento das bacias hidrográficas e das eco-regiões", concluem os autores do estudo. O documento pede a extensão destas zonas para evitar a degradação dos ecossistemas regionais da floresta tropical, como já acontece em outros locais do trópico.

Site do GreenPeace:

http://www.greenpeace.org.br/amazonia/proteste/?click=1

SE CADA UM FIZER A SUA PARTE JÁ VAI SER UM GRANDE PASSO! DEVEMOS DAR AOS NOSSOS ALUNOS A NOÇÃO DA DIMENSÃO EXATA DOS ESTRAGOS QUE ESTÃO SENDO OCASIONADOS NO PULMÃO DO PLANETA: A AMAZÔNIA BRASILEIRA!

Sugestão para trabalharmos com nossos Alunos em nossas Aulas de Ciências.



Postado por: Elisângela May



O Filme - WALL-E considero um ótimo Artefato Cultural

WALL-E é um longo metragem de animação que teve sua estréia em 2008.
Conta a história de um robô que foi deixado na Terra para fazer a limpeza do planeta. Nosso planeta foi soterrado pelo lixo produzido pelos seres humanos e por isso todos os habitantes tiveram que abandonar a Terra.
O filme inicia com um impressionante panorama da Terra completamente tomada por lixo.
WALL-E é o nome dado a uma frota de robôs encarregados de limpar de todo o planeta para que seus habitantes pudesse retornar em 5 anos, mas isso durou 700 anos. As frotas de robôs deixaram de funcionar restando apenas um WALL-E que é o protagonista do filme.
Este robozinho adquiriu a capacidade de se auto reparar e trabalhava sozinho, recolhendo, capitando e empilhando lixo. Juntava inúmeros artefatos humanos que encontrava durante seus dias. Dentre os diversos artefatos que juntava e colecionava em sua casa estavam isqueiros, lâmpadas, aparelho de VHS, uma fita de filme “Hello, Dolly” que assistia sempre,bichinho de brinquedos e muitos outros.
Durante este 700 anos em que ficou sozinho WALL-E desenvolveu consciência e personalidade. Interessou-se pela cultura de um povo que jamais conheceu, desenvolveu respeito pela vida que conhecia apenas através de um simples broto de alguma planta e de uma baratinha de estimação.
Num dia, dentre tantos de solidão, desce do céu uma espaçonave para examinar a Terra e deixa uma robô chamado Eva. Eva era uma nova espécie de robô com a missão de procurar exemplares de vegetais vivos, que significaria que a vida se tornou sustentáveis novamente.
WALL-E conseguiu se comunicar com Eva e mostrou a ela todos os artefatos que colecionava em sua casa entre eles um broto de uma planta. Eva cumpriu sua missão e retornou a estação espacial Axion onde encontravam-se seres humanos. WALL-E foi junto porque não queria deixá-la ir embora.
Na nave Axion os robôs é que faziam todas as atividades, as pessoas eram extremamente obesas e não andavam, flutuavam em cadeiras. Elas relacionavam - se através de computadores. Isto mudou quando EVA e WALL – E retornaram a nave.
Os robozinhos acabaram fazendo com que os humanos lembrassem como é ser humano.
Visto que eles trouxeram vida para dentro da nave.
Quando Eva chega com a planta e dá a notícia ao comandante da nave que encontrou vida na Terra, o comandante que é humano, exita num primeiro momento, mas acaba se interessando em saber como seria a Terra e começa uma grande luta contra os robôs que eram os que realmente comandavam a nave. Os robôs negavam-se a retornar a Terra porque receberam a 700 anos a diretriz A113 que foi enviado pelo seu presidente dono da BNL, empresa responsável por mandar os seres humanos para o espaço. Esta empresa é a que tinha ficado também com a função de cuidar da limpeza da Terra.
Durante esta disputa com os robôs da nave, WALL-E aleija-se e precisa de raios solares que era só encontrado na Terra.
Axion consegue retornar a Terra e Eva voa até a suposta casa de WALL-E, onde repõe as peças com defeito. Quando as peças são recolocadas WALL-E fica sem personalidade deixa Eva desapontada, mas ao receber um beijo WALL-E consegue recompor-se. Os humanos plantam o broto que Eva havia levado até eles e voltam a recolonizar a Terra.

Este filme é um bom artefato cultural para ser trabalhado em uma aula de ciências. Porque ele aborda questões de ecologia, saúde, beleza, relacionamento e cultura.
WALL-E faz um alerta Ecológico sobre a quantidade de lixo que produzimos diariamente. Faz-nos levantar uma série de questionamentos:
- quanto de lixo produzimos diariamente?
- a todo o momento surgem novas tecnologia e o que fazemos com nossos equipamentos velhos?
- para onde é encaminhado nosso lixo?
- tem países que estão exportando lixo?
- colocar mais lixeiras nas ruas ajuda a resolver o problema?
- não seria o lixo um grande negócio para ser explorado?
- tem muito lixo espacial girando ao redor do nosso planeta?
Faz-nos pensar que tudo ou quase tudo que produzimos vira lixo.
Com WALL-E podemos levantar também o tema da obesidade, que já é um fato discutido freqüentemente na mídia e no mundo científico. As facilidades da vida moderna e as mudanças nos hábitos alimentares, o sedentarismo acabam comprometendo nossa saúde.
Podemos fazer uma reflexão com nossos alunos sobre seus hábitos alimentares, a importância de comer alimentos saudáveis e manter o corpo em movimento praticando algum tipo de atividade física.
No filme a população havia perdido a habilidade de andar, sua sustentação óssea estava comprometida.
Na nave todos eram obesos e isto para eles era normal. Pudemos fazer uma ligação com a aula presencial que tivemos com o professor no pólo, onde trabalhamos o corpo nas mais diversas formas. O corpo mudo conforme o tempo e o modo como vemos este corpo. A imagem do corpo muda ao longo da história, são produtos construídos neste momento que se naturalizam entre nós. E naquele momento do filme a obesidade era normal.
A moda também era abordada no filme. Ela mudava muito rápido se hoje a moda fosse usar vermelho, então todos usavam vermelho.. O ritmo era mais acelerado que o nosso mais não era muito diferente de hoje. O consumismo era algo que ficava bem claro. E sabe-se que ao se consumir algo ou imagem se consome modos de ser, ver e pensar.
No filme os personagens falavam muito pouco suas falas eram bem colocadas, porque nos faziam refletir e rever alguns conceitos sobre nosso modo de viver e de se relacionar com o mundo.
Duas frases que achamos interessante discutir:
“Eu não quero sobreviver, eu quero viver”.
Esta frase surgiu a partir do momento que o comandante teve contato com o pequeno broto vindo da Terra. O broto verde pareceu despertar nele uma vontade de viver, de lutar pela vida e reconstruir o planeta que seus ancestrais destruíram.
Pensamos como seria a vida sem o verde de nossas matas, sem o mar, os rios....
A geração que vivia na nave não tinha mais contato com nosso planeta, eles não se preocuparam e transmitir a seus descendentes a história de como era a vida na Terra.
O pequeno broto fez nascer neles à vontade de ir de encontro as suas origens, entender seu passado, sua história, sua cultura.
“Você não desistiu da plantinha”
Esta frase foi dita pelo comandante à EVA.
A robozinho e WELL-E não desistiam nunca e nós será que não estamos desistindo?
Este artefato cultural é uma ficção científica e parece não estar tão distante de nós. Lógico que um robô não se apaixona por outro robô, mas os dois apaixonados nos deram uma boa lição.
Seria interessante começarmos a pensar e a observar que muitas coisas que pareciam impossíveis há tempos atrás hoje já são realidade.
Precisamos olhar nosso mundo com um olhar não condicionado. Vemos tantas coisas ao mesmo tempo, num mundo onde tudo passa rápido que acabamos nos atrapalhando muitas vezes.
O filme WALL-E permite trabalhar alem dos temas de biologia, filosofia, sociologia, psicologia. Podemos trabalhar a interdisciplinaridade.
É uma animação infantil com questões muito interessantes para nós alunos e professores.
Postado por: Elisângela May

Trabalhando conceitos biológicos através de ilustrações - Postado por Talita Simões




A utilização de charges e ilustrações de via humorística no ensino de biologia e ciências, serve como um recurso didático-pedagógico de fácil utilização em sala de aula, para auxiliar na compreensão de diversos assuntos da disciplina de biologia.

O uso deste recurso para o ensino de biologia, assim como para outras disciplinas, apresenta um aspecto interessante, visto que é facilmente encontrado em jornais, revistas, internet e diversos outros locais, tratando dos mais diversos temas e, de forma lúdica, trazendo as mais diversas mensagens que são compreendidas e interpretadas pelos jovens, provocando nos mesmos muitas vezes, uma assimilação de conceitos não verificada quando utiliza-se somente linguagem verbal.

A imagem funciona como um elemento de interação entre a língua e o indivíduo, e exercendo influência na produção do sentido, sendo que esta produção dentro da linguagem não-verbal dá-se de forma natural, pois é trivial lermos as imagens mesmo sem possuir uma alfabetização prévia. Entretanto, a imagem não traduz a palavra, ela traduz a idéia. A palavra fala da imagem e até mesmo pode descrevê-la, mas não pode desvendar seu valor significativo. O gênero Charge pode ser considerado como ferramenta educativa, na medida em que age discursivamente numa situação definida por uma série de parâmetros e com ajuda de um instrumento semiótico – o intertexto.

Desta forma a Charge pode ser vista como um agente facilitador da conexão prática para os docentes das mais variadas áreas do saber, uma vez que estimula várias competências cognitivas e emocionais do educando. O trabalho com a Charge não é um subterfúgio pedagógico para o ensino, mas sim um meio de integração com as mais diversas fontes de cultura e fatores socioeconômicos atuais, ela pode ser muito dinâmica e atualizada e interage com o processo histórico em que se constitui.

O gênero Charge é uma obra provocadora, pois pode ser classificada como uma crônica visual. É uma testemunha gráfica de comportamento, costumes e hábitos, gravados em seus traços caricaturais. Assim, o uso de ilustrações conduz a um despertar para outro olhar, fazendo com que os leitores reavaliem sua postura. É um jogo que por vezes o leitor pode vir a ser impulsionado pela emoção e/ou pela crítica. A leitura de imagem é ativa ao mesmo tempo intelectual e emocional.

O objetivo principal é despertar no educando, de forma lúdica, o desejo de conhecer e assimilar os conceitos básicos da disciplina de biologia.

Fonte: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/1082-4.pdf